Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Notícias
Trabalhadores do IFRN paralisarão atividades em protesto pela flexibilização da carga horária
Publicado por Mário Júnior - Qui, 19 set. 2013 09:24

Em deliberação unânime da assembleia geral de servidores, realizada ontem no campus Natal, os trabalhadores do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) paralisarão suas atividades na próxima sexta-feira (20), como forma de advertência à gestão acerca de uma possível queda da flexibilização da carga horária de trabalho, o que significaria – na prática – um aumento de 30 para 40 horas semanais.

alt

A Seção Natal do Sinasefe enviou, na tarde de ontem, comunicação oficial da entidade à Reitoria informando sobre a paralisação e colocando enquanto pauta de reivindicações que a gestão respeite o resultado das consultas feitas nos campi da IFE – as quais se mostraram amplamente favoráveis à manutenção das 30 horas – e tome as ações judiciais cabíveis contra a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que fere a autonomia e democracia interna do Instituto.

No ato da paralisação, às 8 da manhã, quando também acontecerá reunião do Colégio de Dirigentes (CODIR), haverá mobilização como forma de garantir que as reivindicações da comunidade acadêmica sejam respeitadas.

O Sinasefe/RN está convocando todos os trabalhadores a se fazerem presentes nesta atividade e, como manda o regimento interno do CODIR, solicitando que todos os que forem comparecer ao ato enviem e-mail até a manhã de hoje para Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Confira aqui a matéria produzida pela nossa seção sindical.

Esses ataques, que hoje atingem os técnicos-administrativos do IFRN, podem se estender às demais unidades de ensino federal. O SINASEFE NACIONAL é sistematicamente contra a quebra da flexibilização da jornada de trabalho e convoca todas as suas seções sindicais a iniciar o debate e a mobilização de suas bases para derrotar esta ameaça.