Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Greve do Sinasefe Notícias
SINASEFE DÁ O PONTA PÉ INICIAL AO ACAMPAMENTO

alt

No dia 16 de julho, iniciou-se o acampamento dos Servidores Públicos Federais (SPFs), em Brasília. O objetivo é pressionar o governo Dilma para abrir negociações com os servidores em greve.

A greve do SINASEFE chega aos seus 35º dia e o governo não acenou com nada para os Técnico-Administrativos. Por outro lado, apresentou apenas uma proposta para os docentes muito aquém do que o movimento esperava.

Os primeiros caravaneiros a chegar ao local do acampamento foram trabalhadores da base do SINASEFE de Santa Catarina, Minas Gerais e estudantes dos Institutos Federais de todo o Brasil.

Existe uma grande expectativa de que possamos reunir cerca de 50 mil trabalhadores e estudantes em Brasília, realizando assim a maior manifestação dos SPFs na era Dilma. Cartazes e faixas estão espalhados por toda a cidade e o grande grito de guerra é: CHEGA DE ENROLAÇÃO, NEGOCIA DILMA!!!!.

O SINASEFE considera este momento decisivo para que os SPFs possam dizer a sociedade quem realmente não está negociando. Estamos diante da maior greve da educação federal do país e são muitos os servidores de outros órgãos que a cada dia aderem ao movimento grevista.

alt

Essa reação dos trabalhadores é uma resposta ao descaso do governo Dilma que vem congelando os salários dos SPFs há três anos e precarizando, de forma assustadora, as condições de trabalho no serviço público.

Este governo quer que nós trabalhadores paguemos o custo de uma crise que não criamos, transfere diariamente milhões de reais para os banqueiros, isenta do pagamento de impostos os grandes empresários, mas na hora de discutir os salários dos trabalhadores alega não ter dinheiro.

Estamos esperando caravaneiros de todos Brasil, os SPFs vão dar seu recado: EXIGIMOS NEGOCIAÇÃO, JÁ.