Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Notícias
SINASEFE vai combater a LGBTfobia na Rede Federal
Publicado por Mário Júnior - Ter, 11 dez. 2018 14:27

O SINASEFE intensificará suas ações de combate às opressões em 2019. Seguindo deliberação da 156ª PLENA, o sindicato lancará no início do próximo ano letivo um Kit de Combate à LGBTfobia, com conteúdo que promova uma reflexão junto aos educadores e à comunidade escolar sobre a importância de se respeitar a diversidade sexual e de se repudiar toda forma de opressão - seja ela de gênero, de raça/etnia, de orientação sexual etc.

No vídeo acima, gravado em 10 de dezembro, a coordenadora geral do SINASEFE, Camila Marques, entrevista quatro militantes do movimento LGBT, que falam sobre as particularidades de suas vidas e militâncias e dizem como esperam que um material de combate à LGBTfobia contemple as demandas do movimento.


Entrevistas

Rafael Machado, gay, estudante e militante do Coletivo LGBT Dandara dos Santos, foi o primeiro a falar e dissertou sobre a importância de estar num ambiente escolar que o respeite pelo que ele é e o valorize desta forma. "Quando eu cheguei num lugar que me ofereceu educação plural, que me deixava entender quem eu era, isso abriu minha mente e me fez refletir sobre o que eu sentia", disse Rafael.

Talita Victor, lésbica e servidora pública, atacou as diretrizes dos PLs do Escola Sem Partido, que visa impedir debates sobre gênero e educação sexual nas escolas. "Crianças engravidam, sofrem com epidemias de sífilis e HIV; uma professora foi quem me ensinou o que era menstruação, não fui orientada sobre isso dentro de casa (...) e não quero que ela seja proibida, amordaçada e criminalizada por fazer um bom trabalho", finalizou Talita.

Daniel Ribeiro, transexual e militante de movimento popular, falou sobre a necessidade de aceitação e visibilização da comunidade transgênero, tanto na escola como no mercado de trabalho. "Que a escola e os empregadores consigam abrir os olhos e perceber que nós não somos inimigos de ninguém, só queremos viver o nosso amor, a nossa identidade e sermos felizes", afirmou Daniel.

Gustavo Melo, gay, professor da Rede Federal e também militante do Dandara dos Santos, fechou a entrevista analisando a conjuntura regressiva que se aproxima com o futuro governo Bolsonaro. "Nós vamos perder espaços que ocupamos, muitos vão acabar voltando para a marginalidade na luta, as escolas vão se tornar ambientes ainda mais inóspitos para a população LGBT, mas eu tenho esperança, pois a população LGBT nunca teve paz no Brasil. (...) Nós chegamos até aqui e vamos conseguir sobreviver a esse governo", falou Gustavo.


Envie material

Para uma elaboração mais ampla e plural do Kit de Combate à LGBTfobia, a Pasta de Combate às Opressões do SINASEFE solicita contribuições das bases do sindicato.

Envie sua sugestão e/ou seu material para avaliação da Pasta no e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.  e/ou no WhatsApp (61) 98281-0107 (contato do secretário da Pasta, Felipe Oliver).

Última atualização em Ter, 11 dez. 2018 15:26