Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Notícias
149ª PLENA manifesta solidariedade ao povo Akroá Gamela
Publicado por Mário Júnior - Qua, 10 maio 2017 00:27

Os delegados e delegadas presentes à 149ª Plenária Nacional do SINASEFE aprovaram, ao final do fórum, uma Nota de Apoio ao povo indígena da etnia Akroá Gamela - a qual já foi subscrita por várias entidades, pastorais, movimentos sociais, articulações e lideranças da sociedade civil.


Texto na íntegra

Nós, delegados e delegadas da 149ª Plenária Nacional do SINASEFE, apoiadores do povo indígena Akroá Gamela, manifestamos nossa indignação e repúdio ao golpe violento contra sua autonomia desferido na tarde do dia 30 de abril de 2017, durante mais uma retomada de seu território tradicional. Comandado por fazendeiros, um deputado federal e religiosos fascistas, um grupo armado, que incluía jagunços, desferiu golpes com armas de fogo, armas brancas, paus e pedras contra os indígenas, produzindo feridos em estado grave, cinco deles baleados.

Enfatizamos a necessidade de regularização urgente e imediata do território Gamela, como forma sanar o conflito e garantir o bem-viver. O Estado, por meio da Fundação Nacional do Índio (Funai), é responsável por todo esse processo de regularização, mas por conta da configuração política atual - de predomínio dos ruralistas, antiindígenas convictos - seu trabalho técnico vem sendo negligenciado pelo governo e a instituição enfraquecida.

Repudiamos todas as tentativas de criminalização dos Akroá Gamela e do legítimo movimento que eles têm feito pela retomada de uma terra que é deles. Repudiamos todos aqueles que falam em "supostos indígenas" e "suposto território indígena", tanto por parte do governo federal quanto do governo do estado do Maranhão. Para nós este tipo de colocação reacionária, que nega a identidade indígena, transita entre a ignorância e a má-fé. São afirmações de quem não compreende a luta histórica desses povos. Os Gamela são os primeiros indígenas brasileiros a receberem da coroa portuguesa uma sesmaria, no século XVIII, em 1784.

Reafirmamos que no dia 30 de abril de 2017, no município de Viana-MA, não houve confronto entre indígenas e pessoas ligadas aos fazendeiros. O que houve foi um massacre contra os Gamelas, com tentativas de execução e linchamento, numa ação que é parte de um processo genocida.

Queremos ainda dar visibilidade à denúncia em que é dito que o aparato de segurança estadual - a maioria da Polícia Civil e Militar na região de Viana-MA e nos municípios vizinhos - funciona de maneira inaceitável, em favor dos fazendeiros e contra os indígenas. Essa é uma situação que precisa ser resolvida urgentemente pelo governo do estado, pois é público e notório que hoje existem lideranças Gamelas marcadas para morrer.

A luta do povo Akroá Gamela é legítima, frente aos séculos de espoliação e violência. Diante do descaso e/ou parcialidade do Estado Democrático de Direito, consideramos absolutamente legitimo que os indígenas não esperem mais pelo caminho institucional, tomando a rédea do processo de retomada da terra.

Assim, responsabilizamos o Estado brasileiro por essa ação violenta sofrida pelo povo Gamela, fruto da morosidade e omissão na regularização, além da insegurança que predomina na região. Reafirmamos nosso apoio incondicional ao povo Akroá Gamela, nos solidarizando com sua dor, expressando aqui nossa sede e fome de justiça contra a violência desmedida aos povos originários.

"Todo arame e porteira merecem corte e fogueira, são frutos da maldição"


Download

Baixe aqui a Nota de Apoio em formato PDF.


Conteúdo relacionado

Última atualização em Qua, 10 maio 2017 00:49