Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Notícias
À memória e ao legado de Fidel
Publicado por Mário Júnior - Sáb, 26 nov. 2016 16:19
A notícia da morte de Fidel Castro no último dia 25 de novembro*, em Havana, pegou a todos de surpresa. Menos pelo fato da partida do principal líder da revolução cubana, dado o avançar da sua idade e o nosso conhecimento sobre a transitoriedade da vida. Mais pelo peso da representatividade de seu legado.

Fidel Castro viveu intensamente. Liderou uma revolução em seu país, que antes dela era tratado como uma "casa de diversão" da elite estadunidense e depois dela passou a ser referência em várias áreas - é ainda hoje uma nação que, apesar dos anos de embargo econômico impostos pelos Estados Unidos, conseguiu educar e tirar das ruas suas crianças e garantir uma saúde de qualidade para sua população.

Fidel foi uma figura pública central na política internacional por sua luta contra o imperialismo e contra as injustiças sociais produzidas pelo capitalismo. Se não conseguiu transformar Cuba em uma superpotência, dadas as limitações de desenvolvimento das forças produtivas no país, conseguiu provar que é possível um governo cuidar bem da sua população sem abraçar a tendência neoliberal à qual quase todos os governos se ajoelham. Conseguiu provar que é possível priorizar as pessoas em detrimento do lucro de alguns poucos exploradores.

Podemos gostar ou não de Fidel. Podemos apoiar ou não as ações do governo cubano desde a sua revolução. Podemos ser de esquerda, de centro, de direita. Mas indedepente de nossas posições particulares, é impossível não reconhecer que Fidel foi um mito e que continuará inspirando gerações - além das que ele já inspirou.

O SINASEFE NACIONAL reverencia o legado e a memória de Fidel Castro. Sua história e seus feitos serão sempre lembrados por todos aqueles que lutam por uma sociedade justa, igualitária e livre de explorados e exploradores. Ainda hoje, quando estamos no conforto de nossos lares, muitas crianças estão nas ruas, sem nenhuma perspectiva de futuro. Graças a Fidel, nenhuma dessas crianças é cubana. Que das muitas lições que ele deixa, consigamos aprender ao menos esta!

*26 de novembro no fuso-horário brasileiro
Última atualização em Sáb, 26 nov. 2016 16:54