Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Notícias
Tragédia em Mariana-MG: SINASEFE presta solidariedade às vítimas
Publicado por Mário Júnior - Ter, 10 nov. 2015 09:10

O SINASEFE NACIONAL expressa sua mais profunda solidariedade às vítimas da tragédia da última quinta-feira (05/11) no distrito de Bento Rodrigues, localizado no município de Mariana-MG, por conta da irresponsabilidade da Mineradora Samarco - empresa pertencente à Vale S.A. e à BHP Billiton.


REPÚDIO À SAMARCO

De igual medida com que nos solidarizamos às vítimas, tanto às de Mariana-MG quanto às dos demais municípios que foram (e que ainda serão) atingidos pela lama tóxica do rejeito de mineração, nós repudiamos à atitude da Mineradora Samarco, única responsável pela tragédia.

A extração desenfreada de minério visando a maximização do lucro da empresa, sem a devida preocupação com a segurança dos trabalhadores e da sociedade, fez a mineradora ignorar problemas denunciados há mais de 15 anos sobre a insegurança da barragem. O resultado real dessa negligência tem sido velado pelos meios de comunicação de massa, que diminuem a proporção da tragédia em suas notícias - uma das maiores e mais tristes do Brasil e a maior do estado de Minas Gerais.


PROPORÇÃO DA TRAGÉDIA

Filiados da Seção IFMG do SINASEFE tem participado voluntariamente do socorro e atendimento das vítimas. Sabemos que são mais de 500 desabrigados, mais de 100 desaparecidos e - infelizmente - um número maior de mortes do que as que foram, até o momento, divulgadas. O distrito de Bento Rodrigues possuía 188 casas, das quais 65% foram completamente destruídas.

O rejeito que estava represado na barragem e vazou é tóxico: ele contém elementos como arsênio, mercúrio e ferro em sua composição.

A mídia tenta confundir a população com um mau jornalismo, inclusive retirando a responsabilidade da Samarco. Destaca-se um eventual abalo sísmico como responsável, mas pesquisadores da Universidade de São Paulo (Usp) já divulgaram que esse tipo de abalo acontece praticamente todos os dias e é insuficiente para derrubar uma barragem.


QUE A SAMARCO SEJA RESPONSABILIZADA

É necessário, neste momento, priorizar o acolhimento e atendimento das vítimas, suprindo suas necessidades básicas como saúde, alimentação e moradia. Assim como sepultando com dignidade os mortos e indenizando as famílias com vítimas fatais.

É necessário calcular o impacto ambiental causado pela lama tóxica, com a poluição dos rios, biomas, mortandade de animais, enchentes, desabastecimento de cidades etc. A tragédia, que no momento já é grande e incalculável, ainda vai aumentar até a despoluição.

E quem vai pagar a conta por isso? A sociedade, por intermédio dos seus impostos utilizados pelo estado? Não! Essa conta deve ser repassada à Mineradora Samarco e às empresas que fazem sua gestão (Vale e BHP Billiton).

E os (ir)responsáveis também devem responder, civil e criminalmente, pelos mortos e feriados. Chega de impunidade e proteção aos ricos: exigimos justiça!

Não foi um acidente que vitimou tantas famílias na última quinta-feira: foi a negligência de um capitalismo perverso, que coloca o lucro e a reprodução do capital como prioridades diante de vidas humanas.

Que a Samarco indenize as vítimas, reconstrua as moradias e arque com o prejuízo que ela causou! Que os responsáveis sejam julgados com rigor por seus crimes e arquem com a dor que eles causaram!


LEIA TAMBÉM

  1. Barragens de mineradora se rompem e inundam distrito no interior de Minas Gerais - Fonte: Andes-SN (06/11/2015)
  2. Nota pública da CSP-Conlutas e do Sindicato Metabase Inconfidentes e sobre o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG) - Fonte: CSP-Conlutas (06/11/2015)
  3. Homenagem da 138ª PLENA do SINASEFE - Fonte: SINASEFE (14/11/2015)
Última atualização em Sáb, 14 nov. 2015 10:29