Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica


Representante dos docentes e técnico-administrativos da Rede Federal de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica
Filiação:



Você está aqui: Início Notícias da Greve
121ª PLENA dá o tom da greve: é hora de unir as lutas!
Publicado por Monalisa Resende - Qua, 30 abr. 2014 19:19

A 121ª PLENA do SINASEFE, realizada nos dias 26 e 27 de abril em Brasília-DF, marcando o início da greve 2014 da entidade, foi um encontro de lutadores. Durante a mesa de abertura da Plenária, a presença de representantes dos garis do Rio de Janeiro-RJ, e dos rodoviários de Porto Alegre-RS, da Fenet e da Fasubra fortaleceu o entendimento de que a luta é o único caminho para conquistar avanços para os trabalhadores.


Fasubra


A Fasubra, entidade representativa dos trabalhadores técnico-administrativos das universidades, em greve desde 17 de março, participou da mesa de abertura (com Gibran Jordão e Rogério Marzola) e da análise de conjuntura, lembrando que existem sim desafios nos movimentos grevistas, mas que a realidade é favorável à greve. Relataram, ainda, que na última quinta-feira (24), durante uma manifestação organizada pela entidade, o reitor da UnB, quebrou uma cadeira do sindicato local, expressando com este ato o desconforto das gestões com a luta dos trabalhadores (leia mais).


Rodoviários de Porto Alegre-RS


Já o representante dos trabalhadores rodoviários de Porto Alegre-RS, Luís Afonso Martins, destacou que a categoria não fazia greve há 20 anos, sufocada pelas entidades pelegas. Contando com o apoio dos estudantes, mais de 70% da população e, especialmente, das mulheres, os rodoviários enfrentaram os patrões, as direções entreguistas, a prefeitura e a repressão policial (leia mais).


Fenet


Representando a Federação Nacional de Estudantes do Ensino Técnico – Fenet, Emanuele Rodrigues, reafirmou a necessidade de fortalecer a relação entre trabalhadores e estudantes, combatendo as perseguições que o segmento também sofre. "A greve não é somente econômica, ela tem pautas a favor da educação e favorece o avanço da consciência da realidade educacional do segmento estudantil", lembrou.


CSP-Conlutas


A necessidade de construir processos mais amplos de unidade entre os lutadores foi destaque na intervenção da CSP- Conlutas – Central Sindical e Popular, representada por Paulo Barela. Ele destacou ainda que servidores federais do IBGE, do Judiciário e da Cultura (MinC) já debatem greve nos próximos dias.


Garis do Rio de Janeiro-RJ


Trazendo um pouco da energia de luta que garantiu a vitória histórica dos trabalhadores garis do Rio de Janeiro, em março passado, um grupo de cinco lutadores participou da 121ª PLENA. A intervenção destes companheiros emocionou a plateia. Célio Viana apoiou a mobilização dos trabalhadores em educação e demonstrou sua solidariedade. "A educação é poder, e ela é negada no Brasil, a greve de vocês reflete a situação precária e a má administração dos recursos da educação por parte do governo" lembrou. Destacou ainda que muitos profissionais da educação apoiaram a mobilização deles, agora eles apoiam a luta.

Felipe Eduardo Aníbal relembrou a importância da união para o movimento, e frisou: "A gente tem que se juntar e mandar a mensagem pra todo mundo se juntar, vocês tem que se unir!".

Destacando a importância da experiência grevista em sua vida, Pedro Hugo Wichan, se emocionou ao comentar a luta contra as demissões, propostas rebaixadas, a repressão policial, e a cooptação de lideranças durante a greve. Em sua fala revelou que "Durante uma negociação o prefeito Eduardo Paes tentou nos intimidar dizendo 'não se unam com professores'". E afirmou com obstinação: "e eu quero mandar um recado pra ele: nós vamos nos unir sim!".

"Nós não paramos e vocês também não devem parar, quem freia greve é sindicato pelego, imprensa e governo déspota" destacou Wiliam Oliveira, que lembrou a necessidade de ir às ruas para lutar.

Fechando as intervenções dos garis, Fábio Oliveira reforçou a lição de unidade do movimento: "Se vocês se unirem vocês vencem, deem as mãos!"


Seções Sindicais


A plenária contou com a presença de trabalhadores organizados em 36 Seções Sindicais do SINASEFE, dentre elas 15 que já aderiram à greve em 14 estados. Os informes demonstraram o crescimento do movimento paredista em sua primeira semana. Diversas Seções que ainda não aderiram já têm assembleias marcadas para a primeira quinzena de maio.


CNG


Ainda na 121ª PLENA foi instalado, após o debate de seu regimento interno, o Comando Nacional de Greve do SINASEFE (CNG). Inicialmente composto por representantes das Seções Sindicais Sintietfal, IFMA-Campus Maracanã, e IFES. O CNG terá participantes, da Direção Nacional e das unidades educacionais em greve da rede federal de ensino básico, profissional e tecnológico.

Moções e cartas


A plenária aprovou duas moções de apoio, uma em favor dos trabalhadores Jean Magno de Sá, Diogo, Dorival e Paulo Garcês , lotados no campus São Luís – Maracanã, do IFMA, que enfrentando ameaças da gestão por causa da mobilização grevista, colocaram a disposição seus os cargos de direção. A segunda moção de apoio foi para o professor Marcléo Rosseli, um dos fundadores da Conlutas, o ativista sofre perseguição por causa de sua militância combativa desde 1995.


Carta Pronatec


O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) debatido durante evento realizado pelo SINASEFE na sexta-feira (25), foi novamente repudiado pela entidade. A lógica privatista do programa, que desvia dinheiro público para instituições privadas, e aumenta ainda mais a precarização das instituições públicas federais, é uma das críticas da Carta do SINASEFE em repúdio ao Pronatec (confira a versão completa)


Informe jurídico


A Assessoria Jurídica Nacional (AJN) do SINASEFE, representada por Valmir Floriano, fechando os debates da plenária, prestou diversos esclarecimentos sobre a greve. "A greve é um direito inalienável dos trabalhadores" lembrou Valmir. Sobre as ameaças de corte de ponto, o advogado lembrou que não existe declaração de ilegalidade do movimento, e que, apesar da perseguição de algumas gestões, as autoridades competentes (MEC e MPOG) não se posicionaram nesse sentido. Assim, qualquer ação ou ameaça de corte de ponto são iniciativas das gestões locais e devem ser combatidas pelos comandos de greve regionais.


Encaminhamentos da greve


Confira os encaminhamentos da 121ª PLENA referentes à greve.


Matéria publicada no Informativo CNG nº 1